Carta aberta à minha sócia ou 10 dicas para lidar melhor com o empreendedorismo e ter sucesso

Lucia Zaidan,

Eu acho que já comecei algum artigo assim, mas vou repetir: case-se com alguém com quem goste de conversar e associe-se a quem tem os mesmos valores que você. Depois dos nossos três anos de test-drive e três efetivamente “casadas”, eu tenho certeza de que as duas premissas são verdadeiras. Se eu pudesse pensar em um casamento certo, eu pensaria no nosso.

Algumas pessoas sabem, mas íamos nos separar antes mesmo de sabermos que você iria se mudar para Cingapura. E não por brigas, mas porque mais uma vez nossas mentes quiseram a mesma coisa. Hoje acho que era o destino sendo bonzinho – como sempre – com a gente, fazendo a gente se ajeitar para não tomar um susto e ter que correr pra fazer tudo depois.

Teve gente que ficou chocada com como duas pessoas poderiam se separar sem brigar, sem mágoa, sem sequer um arranca-rabo. Nem minha família acreditou. O tom fúnebre tomou conta e nós seguimos com o nosso otimismo, como sempre, dizendo: “está tudo bem ué”. Essas somos nós.

Gente, como é fácil nossa sociedade.

Por isso essa carta é aberta. Eu quero que as pessoas queiram ter sociedades fáceis como a nossa, relacionamentos fáceis como o nosso. Sem briga, com a certeza de que tudo pode e dará certo.

Nossa receita, me corrija se eu estiver errada:

1-   Um otimismo fora do normal para lidar com tudo, every single day, por mais que o dia a dia consumisse nosso bom humor (bem de vez em quando);

2-   Mente aberta para escutar tudo e todos e ver todos os lados de todas as questões – acho que é um pouco do que chamam de empatia;

3-   Pensar antes de falar: sair do office – na minha língua ou “escri” na sua – chateada, mas adotar o “sleep on it”, e resolver as coisas com 5 minutos de conversa na manhã seguinte, urgente, pra mágoa não crescer nem 1 milímetro;

4-   Confiança cega na hora de fazer as contas – e olha que eu sou f* e você não é um primor da matemática nem do excel;

5-   Confiança cega na hora de delegar uma a outra – na capacidade técnica, de argumentação, de relacionamento, de tudo;

6-   Capacidade de “fingir demência” e tocar o barco sem stress desnecessário – porque a vida deve ser muito mais leve do que as pessoas encaram;

7-   Alinhamento de valores e propósito – o dinheiro nunca foi nossa prioridade, mas as pessoas sim – e nossa felicidade e qualidade de vida também;

8-   Nossa postura ética diante dos clientes, fornecedores, colaboradores – se uma das duas não fosse assim, com certeza teríamos discussões sem resolução possível;

9-   Gratidão – ao que construímos, às pessoas que passaram por nós, à família, aos amigos, ao universo, à nossa espiritualidade;

10- Amor pelo que fazemos e pela forma como fazemos. Dá para fazer algo sem isso?

Só espero conseguir, na vida, implantar tudo isso também. Certeza que com alguém como você do lado, eu sempre hei de conseguir!

Obrigada, obrigada, obrigada. É só o que eu posso dizer. Sorte nem preciso desejar, porque no nosso universo só trabalhamos com good vibes! E aos demais, #ficadica. Escolha bem seu sócio e seja mais feliz.